fbpx
Menu

Princípios do Conceito ™ MULLIGAN

O tratamento por fisioterapia de lesões musculo-esqueléticas progrediu desde a sua fundação na ginástica correctiva e no exercício activo, até aos movimentos fisiológicos passivos e as técnicas acessórias aplicadas pelo terapeuta. O conceito de Brian Mulligan de mobilizações com movimentos (MWMS) nas extremidades e deslizamentos apofisários naturais sustentados (SNAGS) na coluna vertebral são a continuação lógica desta evolução, com a aplicação simultânea dos movimentos acessórios aplicados pelo terapeuta e os movimentos fisiológicos activos gerados pelo paciente.

Benefícios da Mobilização com Movimento

Os Profissionais de Saúde formados em terapia manual ajudam indivíduos com deficiências de mobilidade e de função motora. O Conceito Mulligan de terapia manual é especificamente concebido para atingir estes objetivos através da aplicação de técnicas de mobilização manual sem dor que permitem o movimento sem dor e a carga terapêutica do sistema músculo-esquelético. Tanto o terapeuta como o paciente podem avaliar rapidamente o valor desta abordagem pela sua capacidade de eliminar de forma imediata a dor das limitações da função motora. Se as técnicas forem adequadas, observa-se uma melhoria imediata da dor, mobilidade e função motora durante e após a aplicação técnica. Se não se observa uma melhoria imediata, a técnica deve ser modificada para alcançar uma função sem dor ou não é a apropriada naquele momento.

Indicações comuns para o Conceito Mulligan

• A dor é de origem mecânica e não inflamatória

• Dor aguda – mobilidade limitada

• Deficiências de mobilidade sub-agudas

• Estado pós-cirúrgico com perda residual de mobilidade

• Dores de cabeça cervicogénicas e/ou tonturas

• Entorse do tornozelo (inversão)

• Epicondilalgia lateral

Princípios do tratamento

Na aplicação de técnicas de terapia manual, os fisioterapeutas reconhecem que existem contraindicações ao tratamento e devem ser respeitados em todos os momentos. Embora sempre guiado pela regra básica de nunca causar dor, o terapeuta optando por fazer uso de SNAGS na coluna vertebral e MWMs nas extremidades deve ainda conhecer e respeitar as regras básicas de aplicação das técnicas de terapia manual.

Especificamente para aplicação de MWM e SNAGS na prática clínica, foram desenvolvidos os seguintes princípios básicos

1. Durante a avaliação, o terapeuta identificará um ou mais movimentos de referência, tal como descrito por Maitland. Estas referências podem ser uma perda de movimento articular, dor associada ao movimento ou dor associada a atividades funcionais específicas (isto é, dor lateral do cotovelo com extensão do pulso resistida, tensão neural adversa).

2. É aplicada uma mobilização conjunta adicional passiva de acordo com os princípios de Kaltenborn (isto é, paralela ou perpendicular ao plano da articulação). Este deslizamento adicional deve ser indolor.

3. O terapeuta deve monitorizar continuamente a reação do paciente para garantir que nenhuma dor é gerada. Utilizando o seu conhecimento de artrologia articular, um bom entendimento sobre a tensão do tecido e raciocínio clínico, o terapeuta experimenta várias combinações de movimentos paralelos ou perpendiculares para encontrar o plano de tratamento correto e o grau de movimento

4. Enquanto aplica a massagem, pede-se ao paciente que efectue o movimento de referência que lhe causa dor. A dor deve ter melhorado de forma significativa (isto é, uma maior amplitude de movimento, e uma significativa diminuição ou melhor ainda, a completa ausência da dor original).

5. Se o movimento de referência não melhorou significa que o terapeuta não encontrou o ponto de contacto correto, o plano de tratamento, o grau ou direção da movimentação, o segmento da coluna vertebral ou simplesmente que a técnica não é a indicada.

6. O movimento ou atividade anteriormente restringido e/ou doloroso é repetido pelo paciente enquanto o terapeuta continua a manter o deslizamento ou massagem adequada. Esperam-se mais melhorias com a repetição durante uma sessão de tratamento, que envolve típicamente três conjuntos de dez repetições.

7. Podem-se obter mais melhorias mediante a aplicação de uma pressão passiva superior no final da amplitude disponível. Espera-se que este aumento de pressão seja, novamente, sem dor.